O ano do forró de Mariana Aydar

A cantora Mariana Aydar (Divulgação)

 

Quatro discos depois, Mariana Aydar se joga naquele que sempre foi o seu refúgio e inspiração: o forró. Para 2019, a cantora preparou um projeto completamente diferente de tudo o que realizou até agora, o Veia Nordestina. Serão quatro EPs com e um minidocumentário que serão lançados ao longo do ano inteiramente dedicados ao gênero.

 

"Esse projeto foi um passo natural. Veio através das minhas composições que tinham um tom nordestino. Depois do disco com as canções do Nuno Ramos (Pedaço Duma Asa, de 2015) eu fiquei um pouco perdida. Aí as pessoas me chamavam para fazer shows e comecei a me apresentar com um trio de forró de pé de serra e fiquei muito feliz", conta a cantora. Daí para o projeto foi uma questão de entender esse momento e o que as composições diziam.

 

Filha do músico Mario Manga e da produtora Bia Aydar, que trabalhou com artistas como Luiz Gonzaga, entre outros, era um desafio fazer um trabalho que diz muito sobre as raízes da artista. "O forró pra mim é um modo de vida. Minha primeira banda profissional foi de forró, meus primeiros vinis, meu primeiro beijo, minha filha é fruto do forró", diz Mariana, que quando iniciou o trabalho deixou claro que queria fazer um forró do "seu jeito". "Soaria meio falso eu fazer um forró pé de serra. Então quis fazer o meu forró, que sempre foi meio subversivo".

 

Quando ela diz isso, ela se refere à sonoridade mais contemporânea, com mais guitarras, mistura de gêneros e no destaque para a mulher. A ilustração da capa do primeiro EP Veia Nordestina 1 (lançado em abril) foi criada por Dani Accioli, artista feminista de linguagem figurativa com forte inspiração na estética do cordel e xilogravura.

 

E não para por aí. No EP, a música que dá nome ao disco é uma parceria com a cantor caruaruense Isabela Moraes, a segunda faixa, 'Se Pendura', ressalta o empoderamento da mulher numa envolvente mistura de pagodão com xote, composta por Duani, cheia de referências dos carnavais que Mariana passou em Salvador. E por fim, 'Forró do ET', faixa que ela divide com Elba Ramalho.

 

A faixa com Elba tem uma história pra lá de curiosa. Elba é entusiasta da ufologia. Mariana conta que estava em Caraíva, em um show do Hamilton de Holanda, quando viu algumas luzes no céu, no que acredita ter sido um disco voador. "Elba estava em Trancoso e nós ligamos para ela para que ela observasse o céu. Ela foi lá e disse que também viu as tais luzes. Naquele dia o Tony Garrido estava na casa dela e relatou a mesma coisa", conta a cantora. Como diz a letra, "vi uma estrela, Mexendo pra lá. Não era estrela cadente, Não era estrela do mar".

 

Sobre as parcerias, ela destaca mesmo as presenças femininas. "É um disco da nossa atualidade, de entender o poder da mulher, dessa mulher arretada. Tem essa intenção", comenta ela, que assina mais composições nesse trabalho, mas diz não almejar um disco inteiramente autoral, não carrega essa cobrança ou vontade. "Quero gravar músicas boas, mas às vezes tem coisas que só uma mulher, só uma mulher eu pode cantar".

 

 

 

 

UM DISCO EM PÍLULAS

 

A escolha de lançar um disco em partes foi da própria Mariana. "Foi uma ideia minha enquanto consumidora. Sempre fui muito tradicional e pensei na obra como um todo, capinha, ficha técnica... e aí eu mudei. Comecei a ouvir músicas no shuffle, e me sinto muito mal por isso (risos), mas tudo bem, acontece", conta ela. Os próximos EPs (também com três faixas cada), chegam em maio e julho, já o último, que completa o álbum, vem em outubro, todos com produção musical de Marcio Arantes e apoio do Natura Musical.

 

Capa do EP Veia Nordestina 1, de Mariana Aydar (Divulgação)

 

O que deixa o projeto mais especial é o minidocumentário. Dividido em quatro episódios, o doc é dirigido por Dellani Lima e Joaquim Castro, parceiro de Mariana na direção do documentário Dominguinhos (2014), e é baseado em quatro temas que rodeiam a história da cantora com o forró.

 

O primeiro sai em maio e vai contar a história da chegada do forró a São Paulo, destacando o papel de Pedro Sertanejo, cujo forró virou ponto de encontro de nordestinos na capital paulista. O segundo vai falar sobre a dança, a grande paixão de Mariana. O terceiro e o quarto filmes vão se dedicar à mulher no forró e aos novos compositores, respectivamente.

 

Durante esse trabalho e os shows que já fazia, Mariana conta que passou a ouvir cada vez mais pessoas agradecendo por terem apresentado o forró a elas e, hoje, acaba se sentindo com a missão de divulgar o gênero.

 

"Ainda tem muito preconceito com o forró. Depois dos anos 1990, com o boom do forró universitário, isso mudou um pouco. Quando alguém diz que ouviu forró por minha causa, fico muito feliz. É algo que está no nosso inconsciente. O forró balança, mas não cai", diz ela.

 

Em junho ela coloca a turnê do projeto para rodar, projeto esse que, se voltarmos no tempo, tem seu início lá pelos 6 anos da cantora, que ainda criança via e ouvia Luiz Gonzaga como poucos, graças ao acesso dado pelo trabalho da mãe. Ela lembra que ficou impactada ao ouvir um disco do forrozeiro que trazia a música 'Mariana'. "Mariana era o nome da neta dele, mas eu jurava que era uma música para mim. Ele nunca negou".

 

Quem escreveu
Andréia Martins

É jornalista, trabalhou com edição e reportagem nos portais Vírgula, Globo.com e UOL cobrindo música, política e internacional. Hoje segue na redação e também é editora do Roteiros Literários, sobre literatura e viagem, e do blog Quadrinhas, sobre quadrinhos feitos por e sobre mulheres.

Comentários
Postagens relacionadas

18/10/2019 Geral

Lançamentos de outubro

27/09/2019 Geral

Lançamentos de setembro

23/09/2019 Geral, Entrevistas

Duas histórias em uma

03/09/2019 Geral, Entrevistas

O Artista em Processo: Luiz Gabriel Lopes

30/08/2019 Geral

Lançamentos de agosto

Shows relacionados
JAZZ IN FESTIVAL
05/11/2019 - 21:00 hs
até 07/12/2019 - 17:00 hs
Teatro Porto Seguro
JAZZ IN FESTIVAL
COLETIVO RODA GIGANTE
21/10/2019 - 13:00 hs
até 18/11/2019 - 13:00 hs
JazzB
COLETIVO RODA GIGANTE
POPLOAD FESTIVAL 2019
R$120 a
R$800
comprar
POPLOAD FESTIVAL 2019
RAÍCES DE AMÉRICA
09/11/2019 - 21:00 hs
até 10/11/2019 - 18:00 hs
SESC Belenzinho
RAÍCES DE AMÉRICA
CARLOS NAVAS
10/11/2019 - 14:00 hs
Blue Note SP
R$30 a
R$60
comprar
CARLOS NAVAS
TIAGO IORC
08/11/2019 - 23:00 hs
até 09/11/2019 - 23:00 hs
Espaço das Américas
TIAGO IORC
CASTELLO BRANCO
09/11/2019 - 22:00 hs
Casa Natura Musical
R$100 a
R$80
comprar
CASTELLO BRANCO